© 2014 - Todos os Direitos Reservados ao Blog Negócios e Informes. Tecnologia do Blogger.

sábado, 6 de junho de 2015

Economia | PIB de Pernambuco cresce 2% em 2014 e registra R$ 140,2 bilhões

Foto: Divulgação
A desaceleração na economia de Pernambuco, motivada sobretudo pela paralisação das grandes obras de infraestrutura e pelo desaquecimento do setor imobiliário, está refletida nos números do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Apesar do crescimento de 2% em 2014, o resultado é o pior desde 2003 (-0,6%). O desempenho da economia foi apresentado nesta quinta-feira (4), na Agência Condepe/Fidem.

Pelo sexto ano consecutivo, no entanto, o resultado está acima do PIB nacional, que foi de 0,1% ano passado, pior resultado da economia nacional desde 2009. Em números absolutos, a soma dos bens e serviços produzidos no Estado gerou R$ 140 bilhões.

As previsões para 2015 também não são das melhores. Segundo as conjecturas feitas pelo presidente da Condepe/Fidem, Flávio Figueiredo, o crescimento para este ano deve ser de zero e 0,5%.

Entre os fatores para a desaceleração do PIB é possível citar o encolhimento do mercado imobiliário, a retração das grandes obras de infraestrutura – como a hibernação da Refinaria Abreu e Lima, os prejuízos do Estaleiro Atlântico Sul e as demissões na Petroquímica. Em 2014, o Estaleiro Atlântico Sul operou com prejuízo de R$ 329,6 milhões.

A crise econômica nacional, impulsionada, sobretudo, pelos escândalos de corrupção na Petrobras, também afetou diretamente o desempenho econômico. A título de comparação, o PIB de 2013 foi de 3,2%.

Segundo o diretor executivo de estudo, pesquisa e estatística da Agência Condepe/Fidem, Maurílio Lima, o que sustentou a economia de Pernambuco em 2014 foi o setor de serviços, responsável por 73% do PIB estadual. O setor cresceu 2,3%.

Na indústria, apesar do crescimento de 1,5%, houve uma retração na construção civil (-4,5%). De acordo com o estudo, o que segurou a queda do setor foi o crescimento de 24,7% na geração das termoelétricas.

A queda, porém, não chega a assustar os analistas da Condepe/Fidem. O presidente da instituição, Flávio Figueiredo, explica que a construção civil é o primeiro setor a ser afetado em tempos de crise. “O setor é meio, não fim, então é o primeiro a ser afetado pela desaceleração, mas, por outro lado, é o primeiro a reagir”, explicou.

Apesar de corresponder a 5% do total do PIB, o setor de agropecuária impulsionou a economia local ano passado, refletindo elevação de 2,5%. Superando as perdas resultantes da seca de 2013, a produção voltou a apresentar crescimento.

Com informações do Blog de Jamildo

Acompanhe-nos no Facebook


Publicidade


!

!

!

!

!

!

!

!

!

!
! !
!

!
!

Você é o Visitante:

Acessos em Tempo Real

Previsão do Tempo em Surubim

Blogs e Sites Parceiros

Curta Nossa FanPage - Muito Obrigado!

Internautas On Line

(81) 9925.8297 // negocioseinformes@gmail.com