© 2014 - Todos os Direitos Reservados ao Blog Negócios e Informes. Tecnologia do Blogger.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Mercado financeiro prevê queda de 5,89% na economia este ano

Foto: Flickr
A previsão para o crescimento do PIB em 2021 passou de 3,20% para 3,50% e para 2022 e 2023 continua em 2,50%

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano chegou a 5,89%. Essa foi a 15ª revisão seguida para a estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Na semana passada, a previsão de queda estava em 5,12%.

A estimativa consta do boletim Focus, publicação divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos. A previsão para o crescimento do PIB em 2021 passou de 3,20% para 3,50% e para 2022 e 2023 continua em 2,50%.

Dólar
A cotação do dólar deve fechar o ano em R$ 5,40. Na semana passada, a previsão era R$ 5,28. Para 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5,03, contra R$ 5 da semana passada.

Inflação
As instituições financeiras consultadas pelo BC continuam a reduzir a previsão de inflação de 2020. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu pela 11ª vez seguida, ao passar de 1,59% para 1,57%.

Para 2021, a estimativa de inflação também foi reduzida, de 3,20% para 3,14%. A previsão para os anos seguintes - 2022 e 2023 - não teve alterações e permanece em 3,50%.

A projeção para 2020 está abaixo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

Para 2021, a meta é 3,75% e para 2022, 3,50%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano. 

Selic
Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 3% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2,25% ao ano, a mesma previsão da semana passada.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3,29% ao ano. A previsão da semana passada era 3,50%. Para o fim de 2022, as instituições reduziram a previsão para a taxa anual de 5,25% para 5,13% e, para o fim de 2023, a estimativa segue em 6%.

Da Agência Brasil

Real ganha status de moeda tóxica com aversão a riscos fiscal e político

Foto: Pixabay / Reprodução
A desvalorização de quase 30% do real em relação ao dólar desde o início do ano reflete uma aversão à moeda brasileira que não era vista havia quase 20 anos e que já levou à classificação da divisa nacional como um "ativo tóxico" por bancos estrangeiros.

A perda de valor da moeda, que começou no ano passado por causa da queda no diferencial de juros entre o Brasil e outros países, se acelerou nos últimos meses por questões relacionadas ao coronavírus, à piora no ambiente político e à perspectiva de que o país pode ficar para trás na recuperação mundial no pós-pandemia.

O real é a moeda que mais se desvalorizou neste ano entre países emergentes, com uma perda de 29% em relação ao dólar.

Chama a atenção a diferença para países da América Latina, cujo segundo pior resultado é o do peso mexicano (-19%), e de economias como a África do Sul (-22% do rand) e a Rússia (-13% do rublo).

O risco Brasil medido pelo CDS (Credit Default Swap) subiu 220% em 2020. Na média dos países emergentes, a alta foi de 77%.

Na semana passada, o real voltou a se valorizar (fechou a sexta-feira, 22, vendido a R$ 5,58), mas praticamente sem alterar a distância em relação a outras moedas emergentes.

O banco Credit Suisse divulgou relatório em que classificou a moeda brasileira como "tóxica" e na lista das divisas de países fiscal ou politicamente expostos. A instituição projeta uma cotação de R$ 6,20 até o fim do ano.

Entre as instituições consultadas pelo Banco Central na pesquisa Focus, a mediana das projeções para o dólar no final do ano está em R$ 5,30, com algumas casas projetando uma cotação de até R$ 6,30.

Otávio Aidar, estrategista-chefe e gestor de moedas da Infinity Asset, afirma que a valorização recente no preço das moedas dos países emergentes corrige alguns exageros de mercado e que o real pode voltar a se alinhar com as moedas de outros pares.

Para ele, uma desvalorização do real na casa de 30%, enquanto outras moedas emergentes perderam cerca de 20% do valor, reflete uma percepção de risco descolada dos fundamentos econômicos do país. 
Um câmbio de equilíbrio, segundo ele, pode estar próximo de R$ 4,00 ou R$ 5,00, a depender do cenário externo, mas não há justificativa para caminhar para um patamar acima de R$ 6,00.

Para que haja uma melhora na visão sobre o Brasil, no entanto, é necessário sinalizar que o aumento de gastos por causa da pandemia vai ficar restrito a esse período e, adicionalmente, ter um plano para organizar a economia na saída da crise.

"O investidor precisava olhar para o Brasil e ver algo mais calmo, menos turvo, ter um pouco mais de clareza sobre o ambiente de investimento, diminuir um pouco essas incertezas."

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, afirma que sua projeção para o câmbio daqui a 12 meses, considerando os fundamentos da economia brasileira, é de R$ 4,70. Uma apreciação depende, no entanto, de uma significativa redução na aversão ao risco gerada pela pandemia, o que afetaria todas as moedas de países emergentes, e também de uma melhora nas questões políticas e fiscais do próprio país.

"Não estou dizendo para ninguém vender dólar. O câmbio é muito sensível. Ruídos a curto prazo tendem a fazer com que ele se deprecie ou aprecie. Se tiver uma piora de governabilidade, podemos ter um ruído", afirma Sanchez.

"Um segundo fator é não piorar mais do que os outros [países emergentes] e ter uma agenda reformista que volte à tona assim que passar, ou pelo menos reduzir, essa pauta da Covid-19", afirma.

De acordo com o economista-chefe da Ativa, embora a diferença de juros entre Brasil e Estados Unidos esteja em apenas 2,75 pontos percentuais, considerando a taxa básica de curto prazo, os títulos brasileiros são atrativos quando se observa um diferencial de quase 8 pontos em investimentos de prazos mais longos. Continue lendo, clique AQUI!

domingo, 24 de maio de 2020

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Foto: Reprodução/Internet
A partir de junho, as agências dos Correios serão uma opção para quem quer fazer o cadastro para receber o auxílio emergencial do governo, benefício de R$ 600 mensais (R$ 1,2 mil para mães solteiras) pago a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados para amenizar os impactos do isolamento social adotado devido à pandemia do novo coronavírus. 

Até este sábado (23), a Caixa Econômica Federal pagou R$ 60 bilhões de auxílio emergencial, somadas as primeiras e segunda parcelas. No total, 55,1 milhões de pessoas receberam a primeira parcela, enquanto a segunda parcela alcançou 30,4 milhões.

Nota divulgada pelos Correios esclarece que o início da prestação de apoio das agências postais neste cadastramento será em junho, mas ainda não tem data definida.

Conforme a nota, “as agências estão, nesse momento, em processo de adaptação dos sistemas para realização do serviço.” A estatal promete que “a data de início do atendimento, as formas de acesso da população e demais procedimentos serão amplamente divulgados pelos canais oficiais da empresa.”

Do Diario de PE

Bolsonaro confirma estender auxílio emergencial, mas com valor abaixo de R$ 600

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil
Em entrevista à rádio Jovem Pan, o presidente disse que haverá uma quarta parcela da ajuda e que talvez ocorra até mesmo um quinto pagamento

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta sexta-feira (22) que o governo vai estender o auxílio emergencial para informais, mas que o valor pago será abaixo de R$ 600.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, o presidente disse que haverá uma quarta parcela da ajuda e que talvez ocorra até mesmo um quinto pagamento.

"Conversei com o Paulo Guedes [ministro da Economia] que vamos ter que dar uma amortecida nisso daí. Vai ter a quarta parcela, mas não de R$ 600. Eu não sei quanto vai ser, R$ 300, R$ 400; e talvez tenha a quinta [parcela]. Talvez seja R$ 200 ou R$ 300. Até para ver se a economia pega", disse.

"Não podemos jogar para o espaço mais de R$ 110 bilhões, que foram gastos dessa forma. Isso vai impactar nossa dívida, no Tesouro", complementou.

Em reunião com empresários na terça-feira (19), Guedes havia admitido a possibilidade de prorrogar o auxílio.

Segundo Guedes, a extensão poderia ocorrer por um ou dois meses, mas com um corte para R$ 200.

O auxílio foi criado para durar apenas três meses, com valores concedidos em abril, maio e junho. Com a prorrogação por dois meses, permaneceria até agosto.

O discurso pela prorrogação representa uma mudança de posição da equipe econômica, antes contrária à extensão da medida. Mesmo assim, a redução do montante concedido é defendida como fundamental.

Guedes defende a redução do valor por causa das limitações das contas públicas. O ministro propôs uma ajuda de R$ 200 no começo da pandemia, mas o governo aceitou elevar o montante para R$ 600 após pressões do Congresso.

Por: Folhapress

Reabertura da economia pode não ser suficiente para retomada das vendas no varejo

Comércio varejistaFoto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco
O indicador de emprego da Fundação Getúlio Vargas apontou um recuo de 3,2 pontos em abril para 39,7 pontos


A sinalização de reabertura do comércio ao redor do país pode não ser suficiente para trazer uma melhora concreta do consumo. Aspectos como os cortes de salário e jornada, a queda de confiança do consumidor e as expectativas de aumento do desemprego até o final deste ano ainda devem influenciar as decisões de consumo.

Os números já mostram o agravamento da situação do setor ante a pandemia do coronavírus. O indicador de movimento do comércio da Boa Vista, que acompanha o desempenho das vendas no varejo pelo país, apresentou uma queda de 26,6% em abril na comparação mensal sem efeitos sazonais.

No acumulado do ano, o indicador recuou 6,4% contra os primeiros quatro meses do ano passado e 26,3% em relação a abril de 2019. Foi a terceira queda mensal consecutiva.

Segundo o economista da Boa Vista Flávio Calife, ainda que as sinalizações de reabertura da economia -que já começam a aparecer em alguns estados e municípios- sejam positivas, a redução ou suspensão de salário e jornada que alguns trabalhadores sofreram ainda podem pesar nos números do comércio ao longo dos próximos meses.

"Quatro variáveis são determinantes no consumo e, consequentemente, no comércio: renda e emprego, mercado de trabalho, crédito e juros. Apesar de a sinalização ser de que a quarentena caminha para um fim, essas questões ainda permanecem e já influenciam nas expectativas de retomada, principalmente se tiverem efeitos mais permanentes, como a perda de postos de trabalho ou o fechamento de empresas", afirma.

O economista diz, porém, que tem a expectativa de que os números estejam chegando ao ponto máximo de agravamento. "Ainda espero número ruins em relação a maio, mas a tendência é que essa queda não seja mais tão drástica."

O indicador de emprego da FGV (Fundação Getúlio Vargas), por exemplo, apontou um recuo de 3,2 pontos em abril para 39,7 pontos -a maior queda mensal e o menor nível da série história iniciada em 2008. Na média móvel do trimestre, esse mesmo indicador caiu 17,5 pontos (para 71,4 pontos).

Outro indicador da FGV, o Monitor do PIB também apresentou uma retração mensal de 5,3% em março -primeiro mês de isolamento social no país-, com queda de 6,5% no consumo das famílias brasileiras.

"Dado o fato de que vínhamos de uma mudança de expectativas e de confiança após uma crise que durou anos, o atual momento com certeza deixa as pessoas mais cautelosas e conscientes do orçamento", afirma o economista da Boa Vista.

Esse cenário, segundo Calife, se mostra de forma mais evidente na abertura por setores. Ainda conforme o indicador de movimento de crédito da Boa Vista, a maior queda foi observada no segmento de "Móveis e Eletrodomésticos", com recuo de 83,3% em abril -já havia registrado baixa de 13,5% no mês anterior, descontados os efeitos sazonais.

"Esse é um segmento que, além da influência das lojas físicas fechadas, também acaba ficando por último na lista de prioridades do orçamento das famílias. São coisas que ficam para ser compradas depois", diz.A categoria de "Tecidos, Vestuários e Calçados", por sua vez, recuou 2,9% no mês, enquanto o setor de "Combustíveis e Lubrificantes" caiu 18,2%. O item "Outros artigos de varejo" reduziu 12%.

"O segmento de combustíveis deve acabar se recuperando com a reabertura da economia, já que muito dessa queda se dá porque as pessoas não estão saindo de casa", afirma Calife.

A atividade de "Supermercados, Alimentos e Bebidas" foi a única analisada pelo indicador que evitou perdas, mas ainda assim se manteve em patamares praticamente estáveis, com uma variação de 0,1% no mês.

Por: Agência Brasil 

sábado, 23 de maio de 2020

Caixa Econômica abre em Surubim e mais 44 agências em Pernambuco neste sábado (23)

(Foto: Arquivo Agência Brasil)
A CEF abrirá 45 agências neste sábado (23) em Pernambuco, de 8h às 12h, para atendimento aos beneficiários do lote mais recente da primeira parcela do Auxílio Emergencial que recebem pela Poupança Social Digital. Eles também poderão sacar os beneficiários do Bolsa Família que já começaram a receber a segunda parcela do auxílio nesta semana. Em todo o país serão abertas 902 unidades.

Conforme o calendário divulgado pelo Ministério da Cidadania, podem sacar a partir de sábado 2,1 milhões de cidadãos nascidos entre maio e julho constantes no lote mais recente recebido da Dataprev. 

O calendário de pagamentos da segunda parcela para os beneficiários do Auxílio Emergencial que integram o Bolsa Família teve início no dia 18 de maio. No momento, podem realizar o saque 9,5 milhões de pessoas com número final de NIS entre 1 e 5. O calendário deste mês do Bolsa Família segue até a próxima sexta (29). A CEF ressalta ainda que os trabalhadores que já têm os recursos da segunda parcela disponíveis para movimentação na Conta Poupança Social Digital farão a movimentação dos valores pelo aplicativo CAIXA Tem, com as possibilidades de realização de compras e pagamento de contas. Esses não devem ir até as agências neste momento, já que terão que utilizar os recursos por meio do app.

Segunda parcela antecipada para uso digital:

De quarta-feira (20) até a próxima terça-feira (26), 31 milhões de beneficiários do Auxílio Emergencial recebem R$ 20,3 bilhões nas contas digitais criadas automaticamente para o público não integrante do Bolsa Família, uma antecipação dos valores do auxílio para movimentação digital, entre compras em sites credenciados para recebimento do cartão de débito virtual e pagamento de contas.

Se mesmo com essas possibilidades, entretanto, o beneficiário resolver realizar o saque em espécie, o ministério estipulou um outro calendário, também escalonado por mês de aniversário, iniciando a partir do dia 30 de maio. Nas datas indicadas para o saque em espécie, eventual saldo existente será transferido automaticamente para a conta em que o beneficiário recebeu a primeira parcela, sendo poupança CAIXA ou conta em outro banco. A transferência dos valores por meio da conta poupança social digital para outros bancos só poderá ser efetuada a partir do início desse calendário de saque em espécie.

Antes de ir à agência, os clientes devem consultar as unidades que estarão abertas neste sábado em sua localidade por meio do link:



Do Diario de PE

CDL Surubim lança Certificado Digital para Advogado e Microempreendedor Individual (MEI)

Atenta à atual situação econômica, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Surubim, divulgou em seus canais de comunicação, novo produto para classe de Advogados (e-Jurídico) e para o Microempreendedor Individual / MEI (PJ Simples). Tais produtos irão beneficiar as áreas citadas com preços diferenciados e acessíveis. Confira:

e-Jurídico: CDL Surubim lança Certificado Digital para Advogados

Estamos divulgando o e-Jurídico, modelo de Certificado Digital feito especialmente para profissionais da área do Direito. Você também pode utilizar para enviar declaração de Imposto de Renda, assinatura de documentos, além de se identificar de forma segura em sites, entre outras aplicações que utilizam a Certificação Digital. Reduza burocracia e otimize seu tempo. Aproveite as condições especiais que a CDL Surubim preparou. 

PJ Simples: CDL Surubim lança Certificado Digital para Microempreendedor Individual (MEI)

Se você é Microempreendedor Individual e tem a necessidade de utilizar Certificado Digital, nossa CDL está lançando o produto PJ Simples, Certificado Digital em Token com 24 meses de validade por um preço super acessível. Aproveite as condições especiais que a CDL Surubim preparou.

Vantagens do certificado digital PJ Simples
Um certificado digital é como a assinatura eletrônica da empresa, utilizando chaves criptográficas para confirmar a sua identidade. É um documento eletrônico, cujo objetivo é garantir a segurança e a validade jurídica dos processos realizados no ambiente online.

Mantenha contato através dos fones (81) 3634.1608 / 3634.1607, ou através do WhatsAPP (81) 9 9236.3897. 

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Agência bancária do Santander em Surubim está temporariamente fechada; Caixas eletrônicos voltaram a funcionar nesta sexta-feira (22)

Foto: Divulgação/Reprodução - Luís Fernando Germano
A agência do banco Santander de Surubim, localizada no Agreste Setentrional, se encontra  temporariamente fechada. De acordo com informativo exposto na frente da agência, a medida foi tomada de forma preventiva para garantir bem-estar dos colaboradores e da sociedade. Também orienta que os clientes podem realizar maioria das transações pelos canais digitais apps Santander e Way ou Internet Banking. Além de informar aos usuários sobre o funcionamento normal nas agências mais próximas, que são Limoeiro e Santa Cruz do Capibaribe. Os caixas eletrônicos voltaram a funcionar na tarde desta sexta-feira (22), já o atendimento interno não tem previsão de retorno. 

Confira o comunicado:

"Caros Clientes
Esta agência encontra-se temporariamente fechada como medida preventiva para garantir seu bem-estar, de nossos colaboradores e da sociedade. Retornamos em breve!

Você pode realizar a maioria das transações nos nossos canais digitais: apps Santander e Way ou Internet Banking.

Caso precise de agência ou caixa eletrônico, confira abaixo os endereços mais próximo de Surubim. 
Agência 4010 - Limoeiro / Agência 4147 - Santa Cruz do Capibaribe."

Da Redação (Negócios & Informes)

Pedidos de seguro-desemprego sobem 76% na primeira quinzena de maio

Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
A informação foi divulgada pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (21)

O número de pedidos de seguro-desemprego apresentou um salto de 76% na primeira quinzena de maio deste ano, se comparado com o mesmo período de 2019. A informação foi divulgada pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (21).

Nas primeiras duas semanas deste mês, foram registradas 504 mil solicitações da assistência do governo a pessoas demitidas sem justa causa. Na primeira, quinzena de maio de 2019, o número foi de 286 mil.

O número também é maior do que os 481 mil observados na segunda quinzena de abril deste ano, quando o país já enfrentava a pandemia do novo coronavírus.

Neste ano, o seguro-desemprego já foi liberado a 2,8 milhões de pessoas, uma alta de 9,6% em relação a igual período de 2019.

De acordo com o Ministério da Economia, o número ainda apresenta uma defasagem e pode ser maior porque o fechamento de agências do Sine (Sistema Nacional de Emprego) fez com que muitas pessoas não solicitassem o benefício.

O governo estima que 250 mil pessoas foram demitidas sem justa causa, estão aptas a receber o auxílio, mas ainda não fizeram o pedido.

O seguro-desemprego é uma assistência financeira temporária paga pelo governo a trabalhadores dispensados sem justa causa. O valor do benefício varia de R$ 1.045 a R$ 1.813,03.

A pessoa demitida tem quatro meses de prazo para requerer o auxílio no Sine, no portal "gov.br" ou no aplicativo de celular "Carteira de Trabalho Digital".

O Ministério da Economia afirma que, uma vez feita a solicitação pelo trabalhador, não há fila de espera para concessão do benefício.

Membros do governo afirmam que a medida colocada em vigor em abril que permite corte de jornadas e salários está surtindo efeito. Sem ela, dizem, o número de demissões durante a crise seria muito maior.

O programa autoriza empresas a fazerem acordos com seus funcionários para suspender integralmente contratos por até dois meses ou para reduzir jornadas e salários por até três meses. Nesses casos, o governo entra com uma compensação em dinheiro para os trabalhadores atingidos.

Até o momento, 8 milhões de trabalhadores formais tiveram contratos suspensos ou salários e jornadas reduzidos.

Por: Folhapress

Federação Pernambucana de Futebol adia Copa do Interior

Por pandemia, a Federação Pernambucana de Futebol (FPF) confirmou, na manhã dessa quarta-feira (20), através da Diretoria de Futebol Amador, o adiamento da 33ª edição da Copa do Interior para a próxima temporada. “Infelizmente, não vamos conseguir realizar a competição. É uma pena, mas não é o momento. Precisamos focar na luta contra a expansão do COVID-19”, afirmou o diretor de futebol amador, Jorge Vieira Júnior.

A competição tinha o seu início previsto para o final de maio e a expectativa era de realizar a maior de todas as edições, com mais de 100 ligas e 4.000 atletas em disputa. Pouco antes da suspensão das atividades, mais de 60% das ligas já haviam iniciado o processo de inscrição. A última edição da Copa do Interior foi realizada no ano de 2018. Na ocasião, a Liga de Paulista, comandada pelo técnico Paulo Júnior, levantou o troféu de bicampeão. A final aconteceu no Estádio Ademir Cunha, diante da Liga de Cachoeirinha.

Futebol Amador - Além da Copa do Interior, a diretoria confirmou também o adiamento do Campeonato Pernambucano de Futebol Amador pelo mesmo motivo. A competição também será realizada em 2021. 

Do Blog do Agreste - (Assessoria da FPF)

Acompanhe-nos no Facebook


Publicidade


!

!
!
!

!

!

!

!

!

!

!

!

!
!
!
! !
!

!

!
! !

Você é o Visitante:

Acessos em Tempo Real

Previsão do Tempo em Surubim

Blogs e Sites Parceiros

Curta Nossa FanPage - Muito Obrigado!

Internautas On Line

(81) 9925.8297 // negocioseinformes@gmail.com