© 2014 - Todos os Direitos Reservados ao Blog Negócios e Informes. Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Adutora do Agreste pode ter as obras aceleradas

Imagem: Divulgação/Petrolândia Notícias
A Adutora do Agreste terá 15 frentes de trabalho rodando a construção da obra em 2017. É um sinal de que a região, mais uma vez, será prioridade da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) no ano que vem. Resolver a dura situação do Agreste voltou a ser mais real depois que as transferências da União voltaram a trazer esperanças de que a obra não sofra mais paralisações. Para se ter ideia, se o governo federal mantiver o fluxo financeiro de repasses (média de R$ 30 milhões mensais), já será possível entregar em 2017 várias etapas que farão a logística de água de reservatórios para cidades sem abastecimento. Atualmente, algumas são atendidas em sua totalidade por carros-pipa. 

De acordo com o presidente da Compesa, Roberto Tavares, o calendário financeiro de 2017 pode chegar a R$ 360 milhões para a adutora. “Os últimos meses foram de repasses maiores que o primeiro semestre e me permitiram hoje ter um caixa de R$ 70 milhões para contratar construtoras e levantar obras. Se for mantida a média e o governo federal conseguir entregar mais R$ 360 milhões em 2017, considerando a média de R$ 30 milhões mensais, eu consigo dar funcionalidade a algumas etapas do projeto”, garante.

Em números gerais, a obra custa R$ 1,4 bilhão e já foram executados R$ 610 milhões. Em paralelo, o estado vai viabilizando mini adutoras alternativas para que a gestão da água seja fatiada e se consiga acelerar a chegada à população. “Com o calendário andando no ritmo que vem, é possível entregar a primeira etapa do projeto em 2018”, planeja Tavares, citando que 2016 surpreendeu na reta final. “A gestão do presidente Michel Temer conseguiu fazer 2016 ser o segundo maior ano em repasses de toda a obra, que começou em 2013 e tinha previsão de conclusão em 2015. “No primeiro semestre, recebemos R$ 30 milhões do governo Dilma e, no segundo semestre, foram R$ 112 milhões. Se o fluxo seguir, nos dá garantia de entregar”, completou.

Apesar de um fechamento melhor, o ano de 2016 foi muito difícil para o planejamento da Compesa, mas serviu para rever processos e replanejar o plano de ação. “Tivemos queda de repasses que prejudicaram as receitas e um ano eleitoral sempre trava alguns passos a serem dados. O que tínhamos planejado para o ano não pode ser totalmente realizado, mas aproveitamos para nos preparar para os sinais de retomada, reorganizando contratos, preparando licitações e dando andamento ao que nos era permitido”, ressaltou o presidente.

Os investimentos da empresa em 2016 foram da ordem de R$ 500 milhões. Para 2017, o previsto é de R$ 800 milhões, com foco no Agreste. Além dos recursos federais, a Compesa vai compor o caixa com orçamento próprio e empréstimos de bancos internacionais.

Do Diario de PE

Acompanhe-nos no Facebook


Publicidade


!

!

!

!

!

!

!

!

!

!

!

!

!

!
!
!

Você é o Visitante:

Acessos em Tempo Real

Previsão do Tempo em Surubim

Blogs e Sites Parceiros

Curta Nossa FanPage - Muito Obrigado!

Internautas On Line

(81) 9925.8297 // negocioseinformes@gmail.com